San Diegirls

O Blog Mágico de San Diego

Blog

Eclipse - Guia Oficial Ilustrado do Filme

Posted by San Diegirls on August 3, 2010 at 3:30 PM Comments comments (0)



Título: Eclipse: Guia Oficial Ilustrado do Filme

Autor(a): Mark Cotta Vaz

Editora: Intrínseca

Número de páginas: 144


Nesse guia ilustrado, impresso em cores, Mark Cotta Vaz apresenta os bastidores dessa superprodução: equipe, elenco, locações, sets – tudo o que acontece por trás das câmeras revelado em fotos e entrevistas exclusivas. Uma chance única de olhar de perto o processo de criação de um filme e ter acesso a imagens e depoimentos dos astros que povoam os sonhos de todos os fãs: Robert Pattinson (Edward Cullen), Kristen Stewart (Bella Swan) e Taylor Lautner (Jacob Black).


 

Ilustrando o óbvio: é um livro principalmente para fãs da saga Crepúsculo. Tem um formato semelhante ao de uma revista, devido ao seu tamanho e à quantidade de fotos; porém com um papel de qualidade bem melhor do que o de revistas. E tem realmente MUITAS fotos, o que é bem legal pra quem quer ver mais sobre os bastidores – ou não. Tem fotos tanto de bastidores, como dos atores devidamente caracterizados como seus personagens, e stills do filme. Só isso já torna o livro interessante e bonito. Inclusive, a minha imagem favorita do livro mostra fotos dos atores que fazem papel de lobisomens ao lado de fotos de seu modo lobo. Muito prático para conseguir diferenciá-los no filme.

 

Aí você acrescenta as entrevistas. A maioria delas é com pessoas de quem não se fala muito, como Bill Bannerman, coprodutor (e responsável por boa parte dos sets e locações); Jeremy Ball, coordenador de efeitos visuais; Tish Monaghan, figurinista; ou JoAnn Fowler, chefe de maquiagem. E isso é o importante do livro – não são entrevistas com o elenco principal, com as mesmas perguntas que vemos em todos os lugares. São entrevistas sobre o processo de filmagem, com detalhes que a maioria das pessoas não conhece. Por exemplo, a cena da barraca, tão falada pelos atores, foi filmada parte em uma locação nas montanhas, parte num set gigantesco construído em Vancouver, reproduzindo o topo de uma montanha coberto de neve.

 

Pra quem é nerd como eu curioso sobre os bastidores de um filme grande e com tantos efeitos como Eclipse, recomendo. E deixo vocês com um quote de David Slade, o diretor do filme:

 

“Fazer um filme é uma equação complexa que envolve desde amostras de cores a grandes arcos de narrativas de personagens. É a cor de uma parede e quanta luz incide sobre ela. É quantos pêlos haverá em um lobo gerado por computador.”


Resenha por Ana Carla

 


5 raz?es para ler Eclipse

Posted by San Diegirls on July 11, 2010 at 2:05 PM Comments comments (2)

Introduzindo algo novo no San Diegirls: Uma lista! É, já que resenhar Eclipse nos pareceu um pouco óbvio demais (em outras palavras, chover no molhado. Afinal, a grande maioria já leu.), resolvemos trazer pra vocês cinco razões para ler (ou reler ;D ) Eclipse! Ainda mais com a edição nova, que traz o triângulo amoroso bem evidente até na capa... Então, vamos lá:




 

1. O livro vai tirar um pouco o foco de Bella-Edward-Jacob e contar a história de personagens secundários, como Jasper e Rosalie. Do ponto de vista de outras personagens, você consegue entender melhor o vampirismo de Stephenie Meyer, e a história fica mais consistente.




2. Eclipse é o livro mais movimentado da quadrilogia. Não deixa de ser extremamente romântico e melodramático, mas tem uma dose maior de ação, o que deixa a leitura mais dinâmica. Temos lutas, perseguições, drogas, sexo e rock'n'roll...




3. A tensão não está apenas na questão vampírica! O triângulo amoroso é testado de todos os lados. Bella já fez sua escolha, mas e se Jacob não desistir mesmo assim? E se, na verdade, Bella estiver apenas em negação quanto a seus sentimentos por Jake? E se Edward nada puder fazer? E se os três ficarem juntos em uma barraca de acampamento durante horas a fio?




4. Seth e Leah Clearwater. Ok, eles aparecem em Lua Nova, mas é tão rápido que nem dá tempo de lembrar deles. E em Eclipse eles passam a ser parte da matilha! É aí que vemos que Seth é realmente fofo e animado, e não é igual aos outros lobos... E ele tem seu momento de glória no combate com o Riley. Já Leah mostra seu lado impulsivo pela primeira vez, e Jacob é quem acaba pagando por isso.




5. Por falar nos lobos, também temos as histórias da tribo! Apesar de não soar tão interessante no início, imaginar sentar ao redor de uma fogueira, com todos os lobos conversando e brincando como cãezinhos (me desculpem os lobos por aí, mas é um fato – eles brincam como filhotinhos ao redor da fogueira). E conhecer o outro lado da história é sempre bom, afinal, nós acabamos sabendo bastante sobre os vampiros, mas e os lobos? Como começou isso tudo? Quem foi o primeiro alfa?

 


E uma razão extra... O filme já está nos cinemas! É a hora de quem não leu ainda começar, e quem já leu, reler pra relembrar os detalhes... ;)


Equipe San Diegirls

A Breve Segunda Vida de Bree Tanner

Posted by San Diegirls on June 28, 2010 at 8:04 PM Comments comments (0)



Título: A Breve Segunda Vida de Bree Tanner

Autor(a): Stephenie Meyer

Editora: Intrínseca

Número de páginas: 192


Bree Tanner mal se recorda da vida que tinha antes de descobrir seus sentidos extremamente aguçados, os reflexos sobre-humanos e a força física sem precedentes. A vida antes da insaciável sede de sangue… Antes de ser uma vampira.


O que ela sabe é que a rotina em um bando de recém-criados é de poucas certezas, e de ainda menos regras: fique alerta, não chame atenção para si mesmo e, acima de tudo, volte para casa antes do nascer do sol, ou será destruído. O que ela não sabe: seu tempo como imortal está se esgotando. Depressa.


Bree encontra em Diego um amigo inesperado, outro jovem vampiro atormentado pelas dúvidas a respeito do monstro que os criou – alguém que conhecem simplesmente por Ela. Quando os dois percebem que são apenas peões em um jogo cujas proporções jamais imaginaram, é preciso descobrir em quem acreditar. Mas se tudo o que você sabe sobre sua espécie é uma farsa, onde estará a verdade?




 

 

Foi uma surpresa quando Stephenie Meyer anunciou, há algumas semanas, que estava lançando um novo livro, sobre a menina vampira recém-nascida que morreu injustamente no livro da saga Crepúsculo, Eclipse. Bree Tanner aparece por no máximo 5 minutos em Eclipse, mas sua história é contada no livro “A breve segunda vida de Bree Tanner”.


Muita gente não deu muito valor pra essa nota, porque viam em outros personagens histórias mais interessantes. Mas desde o momento em que Bella tem aquele breve momento com ela na clareira, eu sempre me perguntei quem foi aquela garota, que, enganada por sua criadora, tentou construir uma vida nova, e encontrou um fim trágico nas mãos de corruptos.


Em Eclipse, Bree é apenas mais uma vampira recém-nascida, animalizada, sedenta por sangue. Mas poucos sabem que aquele momento tinha pouquíssimo a ver com a sede pelo sangue de Bella, e sim pela dor da perda de amigos, a dor de ser enganada, e a certeza que sua morte está próxima.


Bree nos mostra a vida de um vampiro normal, que se alimenta de sangue humano, sem a piedade que os Cullen apresentam. Curiosamente, o grupo de recém-nascidos criados por Victoria não sai a luz do dia, porque ainda sustentam o medo perpetuado pelas histórias e lendas. Eles também não tem a preocupação de esconder sua natureza, revelando que Victoria não se preocupou em explicar as verdadeiras regras, revelando aí seu verdadeiro objetivo ao criar os recém-nascidos.


Entretanto Bree, com seu amigo Diego e, de certa maneira, com Freaky Fred, descobre todas as coisas não reveladas, não vendo, porém, as mentiras que Riley e, consequentemente, Victoria, contavam. A sua ingenuidade selou o seu destino e de seus amigos.


Mas Bree é esperta.Prefere ler dezenas de livros a participar de disputas inúteis com os outros, se preservando e resguardando forças, comportamento que manteve não só ela, mas Diego e Freaky Fred, vivos e quase intactos até a hora da batalha com os Cullen.


“A breve segunda vida de Bree Tanner” pode ser um livro minúsculo, mas incita emoções tão profundas quanto as que sentimos enquanto lendo “A Hospedeira”(Stephenie Meyer, editora Intrínseca) por exemplo. Ainda mais porque, se você já leu Eclipse, sabe muito bem como a história termina. E por que Stephenie se deu ao trabalho de escrever uma história trágica, já conhecida por muitos? Porque Bree tem segredos, e eles precisam ser ouvidos.


Resenha por Gabriela (Gani)

 

 

 


A Hospedeira e Promo de anivers?rio

Posted by San Diegirls on March 25, 2010 at 8:46 PM Comments comments (12)

Hoje é um dia especial pra nós, sabem por quê? Sabem? *olhinhos brilhando*


O San Diegirls completa 3 meses de vida!


*confete, serpentina, bolo voa pela sala, I Gotta Feeling começa a tocar em algum lugar*



Então, pra comemorar essa data especial, resolvemos postar nossas (isso mesmo, plural, uma mini-resenha de cada uma de nós) resenhas de A Hospedeira, livro que nos uniu tantos meses atrás... Afinal, nós 3 nos conhecemos num chat sobre o livro, e isso levou a discussões sobre outros livros, o que levou à ideia do San Diegirls... Aiai. Bons tempos.


Mas vamos lá!


A Terra foi ocupada por um inimigo que não pode ser detectado. O humano se tornou hospedeiro desses invasores: sua mente é extraída, enquanto o corpo permanece intacto. A nova consciência que o ocupa passa então a conduzir sua vida, que aparentemente prossegue sem alteração.

 

A maior parte da humanidade sucumbiu a tal processo. Melanie Strider não. Junto aos poucos remanescentes de nossa espécie, ela vive em segredo. Até, um dia, ser capturada.

 

Peregrina, a "alma" invasora designada para o corpo de Melanie, fora alertada sobre os desafios de viver dentro de um ser humano: as emoções irresistíveis, as sensações tão intensas, a persistência das lembranças e das memórias, vívidas demais. Mas há uma dificuldade que Peregrina não esperava: a antiga ocupante de seu corpo se recusa a desistir da posse de sua mente.

 

Peregrina investiga os pensamentos de Melanie com o objetivo de descobrir o paradeiro dos humanos que ainda resistem. Entretanto, Melanie ocupa a mente de sua invasora com visões do homem que ama: Jared. Incapaz de se separar dos desejos de seu corpo, Peregrina começa a se sentir intensamente atraída por aquele humano a quem, contrariadamente, foi submetida.


Quando os acontecimentos fazem de Melanie e Peregrina improváveis aliadas, elas partem em uma busca incerta e perigosa do homem que as duas amam.

(Fonte: Site oficial da Intrínseca)


 

O interessante em A Hospedeira é que é um livro sobre aliens, mas não sobre uma invasão alienígena. Nesse caso a Terra já foi invadida e dominada. Os humanos já perderam. Exceto por alguns poucos humanos selvagens que ainda estão sendo caçados, as Almas tomaram o corpo de todos os homens, mulheres e crianças do planeta. Daí vêm vários questionamentos: as Almas, que se consideram tão gentis, e livraram a Terra da violência e todas as outras coisas ruins que os humanos faziam, merecem ficar com o planeta por isso? E quanto a todas as outras criaturas, todos os outros planetas que elas já dominaram? O que acontece com o humano hospedeiro após a inserção da alma, ele some de vez ou é simplesmente subjugado pelo parasita? Os humanos foram realmente vencidos ou ainda há alguma esperança?


Algumas perguntas são respondidas no livro, outras não – o que só faz com que seja ainda mais divertido discutir o livro, e pensar em vários cenários possíveis. Além disso, Steph criou não só uma raça alienígena, mas várias, cada uma com suas características únicas e seu planeta (devidamente controlado pelas Almas). Mais uma vez, ela imaginou uma história que poderia ser batida, ou parecer comum, e a transformou em algo divertido, diferente e extraordinário. Definitivamente ficção científica pra quem não lê ficção científica, como diz no site oficial do livro.

- Ana Carla


O que é notável nessa obra de Stephenie é como ela, mais uma vez, sai do convencional ao relatar  a dominação do planeta tendo como narrador-personagem o “inimigo”. Começamos a ler o livro despretensiosamente, tal qual a intenção da autora, como quem não quer nada. Mas à medida que a jornada de Wanda/Peg  e Melanie se desenvolve, nos encontramos envolvidos até o pescoço, sentindo o sol queimar-nos a costa no calor do deserto, sentindo o gosto meio sulfúrico da água das cavernas do Tio Jeb, urgindo por abraçar Ian ( e ok, vou conceder essa - Jared) quando eles se sentem mal. É uma pena que (se esse for o caso) você esteja desenganado(a) com Meyer, por causa de “Crepúsculo” e continuações (não sem fundamento). Mas eu recomendo mil vezes “A Hospedeira”, seja você fã de Meyer ou não.

- Gabriela Gani


Para quem já leu as outras obras da autora, sabe que ela adora (e o faz muito bem, em minha opinião) pegar um mito já desgastado e tratá-lo de uma forma completamente diferente, muito original (se é que há algo original de verdade hoje em dia). Em A Hospedeira temos um livro de ficção científica que foge dos padrões, temos um romance verdadeiramente transcendental, e temos ainda questões de ordem moral: as almas estavam corretas em tomar a Terra? Qual a forma correta de resistir? Qual o valor de uma vida, e o que te dá direito a ela? Mas, acima de tudo, o livro trata de amor(es) – outra marca de Meyer. Não só do amor entre um homem e uma mulher, como vemos em Crepúsculo, mas de todo tipo de amor, e dos sacrifícios que isso envolve. É uma história muito mais madura e completa que a de Crepúsculo. Acho que nunca chorei tanto lendo um livro! E para aqueles que acham o romance de Edward e Bella o mais arrebatador de todos, tenho certeza que depois que lerem A Hospedeira, vocês mudam de idéia.

- Isadora C.



Ok, agora vamos à segunda parte do post, que eu sei que vocês estão interessados é nisso... A promoção de aniversário! (sim, eu estou chamando 3 meses de aniversário.)


Nós fazemos aniversário, mas quem ganha presente é você!


A nossa nova promoção envolve as duas coisas que mais gostamos de fazer: comer e dormir ler e escrever. Nós, como as leitoras ávidas que somos, não nos limitamos às histórias que os livros nos contam: nós também adoramos fan fictions. Então, para comemorar nossos primeiros 3 meses de vida, vamos fazer uma promoção com fan fics!

 

 


Vamos sortear um super kit mágico, que inclui: Sorte ou Azar, de Meg Cabot; Formaturas Infernais, coletânia de contos (Meg Cabot, Stephenie Meyer, Kim Harrison, Michelle Jaffe, Lauren Myracle); adesivos exlusivos das San Diegirls; marca-páginas e...

 

a publicação da sua fic!


Sim, o ganhador da promoção terá a fic publicada aqui no site, semanalmente (ou quinzenalmente, dependendo da disponibilidade do autor)!


Vamos então às regras:


1. Você pode escrever uma fan fiction sobre qualquer livro que já tenhamos resenhado aqui no SD, e somente sobre esses livros. Fics com fandons de livros não resenhados no SD serão desclassificadas; (vide observações no fim do post)


Envie para nós um arquivo .doc (cuidado com isso, se você usa o broffice ou até mesmo o word), de no máximo 3 páginas, com prólogo e o primeiro capítulo de sua fic. No corpo da mensagem do e-mail, coloque a tabela (abaixo) de informações completamente preenchida:


Título da fic: -título de sua fic -

Autor(A): - seu nome verdadeiro ou pseudônimo, como preferir -

Fandom: - o livro em qual a sua fic se baseia -

Shipper: - o casal principal de sua fic, ou apenas o personagem principal -

Censura: - pode usar o sistema brasileiro mesmo, liver, 10 anos, 12 anos, 14 anos, 16 anos, 18 anos -

Sinopse: - um pequeno resumo da história de sua fic -


Caso você não obedeça a todas as regras deste item, a sua fic será desclassificada;


2. Mande a sua fan fiction para o nosso email ([email protected]), com o título “Minha fic no SD”, e não esqueça de nos dizer seu nome, site/blog (se tiver) e twitter (se tiver).


 

Basicamente, é isso. Use sua criatividade e nos dê algo bom para ler :) Você será recompensado!


As inscrições estão abertas até o dia 25 de abril de 2010.  09 de maio de 2010!


Equipe SanDiegirls

 

Editando: caso você esteja tendo dificuldades em descobrir quais livros já foram resenhados aqui no SD, você pode visitar nosso skoob :D 

Editando parte 2: Resolvemos abrir o concurso para fics de livros que não resenhamos!

Editando parte 3: Mudamos o prazo! Agora é dia 09 de maio!

Formaturas Infernais

Posted by San Diegirls on January 18, 2010 at 2:07 PM Comments comments (5)



Título: Formaturas Infernais

Autor(a): Meg Cabot, Lauren Myracle, Kim Harrison, Michelle Jaffe e Stephenie Meyer

Editora: Galera Record

Número de Páginas: 288


Nessa emocionante coleção de contos de terror, as autoras bestseller Meg Cabot (O Diário da Princesa, A Medidadora, Avaloh High), Stephenie Meyer (Série Crepúsculo, A Hospedeira), Kim Harrison, Michele Jaffe e Lauren Myracle se reuniram para mostrar que a formatura pode ser um evento muito mais aterrorizante do que se pensa. Problemas no guarda-roupa e um par que dança mal não são nada comparados a descobrir que você está dançando com a Morte - e que ela não está aqui para elogiar seu vestido.



 

  Como é um livro de contos, vamos por partes: é mais simples resenhar conto por conto.


  Uma garota descobre que sua melhor amiga está apaixonada por um vampiro. Não somente isso, mas esse vampiro é filho daquele que tirou a mãe de Mary dela. Então, com a ajuda inesperada de Adam, Mary resolve cuidar do problema. A Filha da Exterminadora, de Meg Cabot, faz bem o estilo de Meg; é divertido, leve, com romance e alguma ação. Mary me lembrou um pouco Suzannah, de A Mediadora, no sentido de que também é uma garota forte, que não espera que os outros façam algo – ela mesma vai lá e resolve seus problemas. Gostei das mudanças de ponto de vista durante o conto, é interessante ver Meg escrevendo um ponto de vista masculino. Também achei interessante algumas passagens do conto em que ela fala sobre vampiros e podem ser interpretados, por quem leu Crepúsculo, como brincadeiras com a série; eu diria provável, levando em conta que Meg faria isso, ainda mais sabendo que no livro também haveria um conto da Stephenie Meyer. No geral, é um conto divertido, bem ao estilo Meg.


  Frankie, juntamente com seus amigos Yun Sun e Will, resolve ir a uma vidente. Parte por brincadeira, parte por desejo de saber se Will a convidará para o baile. E acaba saindo de lá com um “buquê de desejos” – peça, e será atendido. Mas cuidado com o que deseja... O Buquê, de Lauren Myracle, é provavelmente o conto mais próximo do terror nesse  livro; talvez por isso, é também o que eu menos gostei. É na verdade uma adaptação de um conto mais antigo, “A pata do macaco”, de W. W. Jacobs, publicado pela primeira vez em 1902. Achei os pedidos de Frankie (e suas conseqüências) um tanto previsíveis.


  Madison acaba de mudar de cidade, para morar com o pai, que estava entrando em depressão pela solidão. No baile, descobre que seu par a chamou por um pedido do pai, que é amigo do pai de Madison. Ela então encontra outro par e resolve aceitar sua carona para casa. O que Madison não sabe é que ela está dançando com a morte – literalmente. Madison Avery e a Morte, de Kim Harrison, é um dos contos mais longos do livro (juntamente com Salada Mista), e dá a impressão de não ter um final – por um bom motivo. O conto é apenas um prólogo do livro “Once Dead, Twice Shy”, da Kim, em que a Morte do conto é mais bem discutida, e a história se desenvolve realmente. O conto é muito interessante, um dos melhores do livro para mim, com uma narrativa boa e rápida de ler, além de uma história intrigante. Em resumo: o conto é bom e intrigante, e você vai querer ler o livro depois para saber mais sobre Madison, Barnabas e Ron.


  Uma motorista que tem superpoderes ao estilo Clark Kent – supervisão, superaudição, supervelocidade, superforça – recebe a missão de levar uma menina de 14 anos do aeroporto até uma casa. Ao chegar lá, descobre que sua cliente não é somente irritante – ela também tem algum poder que faz com que outras pessoas queiram raptá-la. Miranda então resolve mantê-la em segurança, levando-a para seu baile de formatura. Salada Mista, de Michelle Jaffe, pode ser confuso no início, enquanto Miranda apresenta a si mesma e a seus poderes. Porém, após esse início, é divertido e intrigante. Quem é Sibby afinal de contas? Por que querem raptá-la? Porém, é outro conto que poderia ser um livro completo, pois algumas perguntas ficam sem resposta.


  O baile é um desastre. A música é péssima, casais se desfazem por todos os lados, garotas choram pelos cantos. Até parece intencional... E é. Exceto por Gabe e seus amigos, todos estão tendo uma péssima noite, cortesia de Sheba. Mas, ei, ela não pode evitar. É o trabalho dela. Inferno na Terra, de Stephenie Meyer, é outro conto que segue o estilo da autora. Gabe é adorável, e, segundo seus colegas, perfeito. A ponto de se meter em confusão por pessoas que não conhece. Ele tem um bom motivo pra isso, que ficamos sabendo ao final do conto. Sheba é uma personagem muito interessante; um demônio que tem como missão estragar a vida de estudantes do ensino médio, faz seu melhor (digo, seu pior) para que a noite seja um fracasso, e sonha com missões maiores, no mundo adulto. Não diria que é o melhor trabalho de Steph (esse posto ainda é de A Hospedeira para mim), mas é um bom conto – e, como a maioria dos contos desse livro, poderia ter um livro inteiro pra história. Eu imagino o que Steph faria com uma história dessas em mais páginas...


Resenha por Ana Carla

 

 


Categories