San Diegirls

O Blog Mágico de San Diego

Blog

Paranormalcy

Posted by San Diegirls on October 22, 2010 at 11:45 AM Comments comments (0)

 

Título: Paranormalcy

Autor(a): Kiersten White

Editora: HarperTeen

Número de páginas: 352

 

 Evie se considera uma garota normal. Certo, ela pode ver através dos disfarces de todos os seres sobrenaturais (ou paranormais), e desde os seus 8 anos de idade trabalha para a IPCA, agência internacional que controla os paranormais. Mas exceto isso (e seu ex-namorado ser uma fada), ela é completamente normal. Mas quando ela descobre que existe alguém matando paranormais aparentemente sem motivos, e uma profecia das fadas pode ter sido feita sobre ela, Evie tem que deixar o “normal” de lado e fazer o que for possível para entender o que está acontecendo e, talvez, salvar os paranormais.

 


 

Paranormalcy é um daqueles livros que você acaba de ler sem nem perceber. É uma história leve, com uma narrativa divertida e sem grandes pretensões. Kiersten escreve livros como escreve em seu blog, de uma maneira despreocupada e com vários momentos engraçados no meio.

 

Evie pode parecer até surreal; ela é uma adolescente estereotípica à primeira vista, daquelas que se preocupam mais com sua aparência do que o mundo ao seu redor. Mas sendo a única adolescente num instituto, e tendo como única referência de “vida real” um seriado adolescente, não é surpreendente. Quando necessário, ela é forte e pensa rápido; afinal, desde cedo vem capturando paranormais para a IPCA.

 

O livro tem vários personagens interessantes, mas nem todos recebem destaque. Raquel, por exemplo, age como se fosse mãe de Evie, mas está constantemente ocupada demais para lhe dar a atenção que Evie deseja. Lish, sua melhor amiga, é uma sereia que não pode simplesmente sair do instituto e fazer coisas “normais”. Reth, o ex-namorado de Evie, age como se quisesse o melhor para ela, mas não a deixa em paz, e é provavelmente o personagem mais complexo.


Aliás, a Kiersten tem algumas idéias legais sobre os seres paranormais, sem aquela divisão de "bem" e "mal" bem definida que vários livros têm. Ela poderia ter detalhado mais algumas coisas (como a história de alguns paranormais que aparecem), mas isso provavelmente tiraria um pouco do foco do livro. Sem falar que em alguns casos isso aumenta a curiosidade para o segundo livro, Supernaturally.

 

Com seu jeito leve, Paranormalcy tem sido considerado inovador lá fora. Mesmo que não seja tão diferente como isso nos faz esperar, ainda vale a leitura. O senso de humor da Kiersten não decepciona, e mesmo que Evie seja um pouco fútil, ela ainda é adorável.


O livro será lançado aqui no Brasil pela Galera Record em 2011!

 


Resenha por Ana Carla

 

 

 

You need Adobe Flash Player to view this content.

 


T?o Ontem

Posted by San Diegirls on August 5, 2010 at 7:00 PM Comments comments (0)



Título: Tão Ontem

Autor(a): Scott Westerfeld

Editora: Galera Record

Número de páginas: 320


Você já pensou em quem foi o primeiro a usar a carteira presa por uma corrente ou quem começou a usar calças grandes demais de propósito? E o primeiro a usar o boné virado para trás? Esses são os Inovadores, as pessoas no topo da pirâmide de consumo. Aos 17 anos Hunter é um Caçador de Tendências, os segundos na pirâmide. Seu trabalho: identificar o que há de mais novo e legal para o mercado seguir. Seu modus operandi: observar sem se envolver. Mas a partir do momento que ele conhece Jen, uma Inovadora, ele não consegue evitar se envolver. E muito.


A dupla é chamada para uma reunião misteriosa com Mandy, chefe de Hunter. Mas o encontro não acontece e tudo que descobrem é o celular de Mandy em um prédio abandonado. De uma hora para outra, Hunter e Jen se vêem envolvidos em uma guerra do mercado: um carregamento repleto com os tênis mais legais que já viram, anúncios de produtos que não existem e um obscuro grupo dedicado a desmantelar a cultura consumista como conhecemos.



Vou começar logo admitindo: eu levo a capa em consideração quando vou ler um livro. Porque bom, se eu não gostar nem da capa, quem sabe se vou gostar da história? Sei que não tem nada a ver, mas meu subconsciente trabalha assim. E a capa de Tão Ontem é linda. Então, já faz algum tempo que o livro me chamou a atenção na livraria, apesar de a sinopse não dar uma ideia muito boa sobre o que acontece.

 

Isso começa a ficar mais claro à medida em que se vai lendo o livro, e sabemos mais sobre Hunter e o que ele faz. Que é basicamente prestar atenção no que os outros fazem, e, quando vê algo interessante, copiar. A personalidade dele reflete isso, de certo modo; quando ele e Jen percebem que Mandy talvez esteja em perigo, é Jen quem lidera a situação, como boa Inovadora, e Hunter a segue. Então, por assim dizer, Hunter é mais um narrador do que um personagem ativo na maior parte do livro.


Jen é a Inovadora que Hunter conhece no início da história, e a única com quem ele realmente conversa depois de pegar a “inovação” que ele queria. Ela é quem lidera a maior parte da história. Que invade prédios, entra em festas sem ser convidada, se submete a uma crise de epilepsia para provar um ponto, etc. E faz com que Hunter a siga.

 

Um ponto interessante do livro é perceber como nós estamos acostumados a marcas; logo no começo, Hunter afirma que não pretende fazer propaganda ao relatar sua história, portanto não vai usar nomes de marcas registradas (exceto o Google – porque, segundo ele, não iria muito longe se não pudesse usar a palavra “Google”). Ao invés de dizer a marca, ele faz uma breve descrição da logomarca, ou relaciona o nome a algo, ou descreve o produto. E mesmo assim, dá pra deduzir sem muita dificuldade todas elas.

 

Tão Ontem leva três estrelinhas sorridentes, porque é um livro divertido e de leitura rápida, mas deixa a desejar em alguns pontos; a história é um pouco confusa, e ao final do livro você não tem muita certeza do que melhorou ou piorou para os personagens ou a sociedade onde eles estão. Mas vale a leitura.

 


 

Resenha por Ana Carla

A Lista dos Desejos

Posted by San Diegirls on March 17, 2010 at 5:08 PM Comments comments (0)



Título: A Lista dos Desejos (The Wish List)

Autor(a): Eoin Colfer

Editora: Record

Número de páginas: 286



Meg Finn teve uma adolescência atípica. Depois de passar por maus momentos em vida, a menina ainda se deparou com uma situação muito esquisita quando morreu: ela descobriu ser um caso raro de total equilíbrio entre o bem e o mal, ou seja, não pode ir para o Inferno nem para o Céu sem antes cumprir uma importante missão. Para ganhar suas asas, Meg precisa ajudar a última pessoa a quem tentou prejudicar – Lowrie McCall – a realizar sua lista de desejos. Para atrapalhar a jovem heroína, Belzebu manda Belch Brennan, o responsável pela morte de Meg. Enquanto São Pedro e Belzebu decidem quem fica com a alma de Meg, ela e Lowrie tentam superar os diversos obstáculos que os separam de seus objetivos.

 



Quem já leu algum livro de Eoin Colfer conhece seu estilo irônico. Pois em A Lista dos Desejos, essa ironia foi elevada ao máximo – Meg, Lowrie, São Pedro, Belzebu, e Myishi a usam bastante, o que dá ao livro um ar de humor,que poderia ser perdido por outro autor em um livro que trata de Céu e Inferno. Mas Colfer não só consegue ser irônico, ele o faz bem e convence o leitor de que é tudo uma grande brincadeira - até que as coisas ficam sérias.


Pegue uma adolescente recém-falecida que descobre que está presa a um velho rabugento pra poder ganhar sua entrada pro Céu; o tal velho,que não quer a ajuda dela; e uma disputa entre Belzebu e São Pedro pra ver quem fica com a alma de Meg – não que ela tenha algo de especial, mas só pela disputa mesmo; e acrescente fortes personalidades em todos os personagens (exceto Brennan – mas ele não precisa de uma personalidade nessa história).Você fica com uma mistura um tanto explosiva, digamos.


Mesmo com um final um tanto previsível, é um livro muito interessante. Porque às vezes o que importa não é o que aconteceu no fim, mas sim como os personagens chegaram lá. E esse é um desses casos.

 

Filme sugerido: Antes de Partir, com Morgan Freeman e Jack Nicholson. Uma história não tão parecida, mas que também envolve uma “lista de desejos”, embora não haja nada sobrenatural no filme.

 



Resenha por Ana Carla

A Garota Americana

Posted by San Diegirls on March 16, 2010 at 9:33 PM Comments comments (0)

Título: A Garota Americana (All American Girl)

Autor(a): Meg Cabot

Editora: Galera Record

Nº de páginas: 347



Samantha Madison não tem uma vida fácil. Sua irmã mais velha é a garota mais popular da escola, e sua irmã mais nova é superdotada, enquanto ela apenas é... bom, apenas ela. Sam tem dons artísticos, mas nada que se compare a genialidade da caçula ou a popularidade da irmã. E é por causa desse seu talento que ela é obrigada a tomar aulas de artes. O problema é, Sam não acha que precise de aulas: ela já sabe desenhar e não quer nenhuma hippie lhe dizendo o que fazer.


Um belo dia de chuva, Sam, com todo o seu espírito rebelde, resolve fugir de sua aula e ir passar o tempo na loja de discos ao lado... onde por acaso há um homem muito estranho com uma rosquinha, que a faz segui-lo porta afora, o que a leva a salvar a vida do presidente dos Estados Unidos da América. Não fosse o suficiente ficar famosa por salvar o presidente, Sam descobre que o menino que estava paquerando ela na aula de artes é, nada mais, nada menos que o filho do presidente! Agora Sam vai ter que lidar com a fama, com deveres diplomáticos, com sua paixão proibida pelo namorado militante da irmã e com o filho do presidente dos EUA.


Meg Cabot mais uma vez escreve um livro muito divertido, mas muito previsível. No entanto, devo dizer, é um dos mais legais da série teen dela. Pode-se dizer que Sam é uma junção de Mia + Suzanna. Sam só veste preto, pois está de luto pela juventude de sua geração. Ela tem seus próprios ideais, que são fortes e soam bonitos, mas ela não passa de uma adolescente que está no ensino médio e não sabe nada sobre a vida - mas acha que sabe tudo. Ela vê no namorado da irmã mais velha uma fonte de inspiração, e não entende como um rebelde idealista como ele pode namorar alguém tão fútil como sua irmã.


Aos poucos, Sam vai vendo que sua visão de mundo estava completamente equivocada. No início do livro, ela tem muitos preconceitos. Ela não acredita nas aulas de artes e acha a professora uma hippie idiota, ela não consegue enxergar os defeitos de seu amor platônico, não dá uma chance a irmã de mostrar que ela não é tão fútil quanto Sam pensa. E é interessante você ver tudo isso mudando, tudo se desconstruindo. Ainda mais com a ajuda de David, o filho do presidente, que é lindo, artista e um completo cavalheiro. Preciso dizer mais?


Então é, 3 estrelas está mais do que bom para esse livro.


Resenha por Isadora C.

Avalon High

Posted by San Diegirls on March 13, 2010 at 2:35 AM Comments comments (0)

 

Título: Avalon High
Autor (a): Meg Cabot
Editora: Galera Record
Número de páginas: 350

 

 

Elaine Harrison está com raiva de seus pais. Mas não muito.Ela acaba de se mudar do Minnesota para Washington, lugar escolhido por seus pais para tirar licença sabática- uma espécie de férias que professors universitários ( de países desenvolvidos) tiram para desenvolver suas pesquisas e escreverem seus livros. Como toda filha de professors universitários, Elaine odeia isso. Mas enquanto ela flutua com sua bóia na piscina de sua nova casa, mal sabe que seu futuro está para mudar drasticamente.

 

Elaine não agüenta mais as férias. Por ser nova na cidade, não conheceu nenhum amigo, então seu dia se resume a limpar a piscina e depois flutuar nela. Ocasionalmente vai ao parque correr com seu pai. E é numa dessas corridas que sua vida dá uma guinada.

 

Ao passar por uma parte selvagem em seu trajeto, Elaine esbarra com três jovens, dois homens e uma mulher, extremamente bonitos. Mas não foi isso que alarmou Elaine. Foi o fato de que, ao sentir-se familiarizada com um dos jovens, ela sorriu imediatamente, quando uma de suas políticas de rebelião silenciosa contra a nova cidade fosse não sorrir.

 

Quando a escola começa, Elaine e Will, o misterioso rapaz do sorriso, tornam-se inesperados amigos. Apesar de Will namorar a linda Jennifer ( a jovem que o acompanhava na corrida de Elaine), ele parece se sentir muito a vontade na presença de Elaine, que inevitavelmente se apaixona por Will. Mesmo que todos digam que ele é o cara errado.

 

Elaine não percebe que seu relacionamento com Will transcende a paixonite juvenil. Ao longo do tempo, diversos fatos dão dicas de que uma antiga história, conhecida em todas as culturas, esteja se repetindo, e Elaine está bem no meio dela.

 

Meg Cabot destoa de suas personagens-comuns nessa obra. Elaine é quase palpavel, de tão real e simples. Apesar de não ser superficial ao extremo, como algumas personagens femininas meguianas, Elaine não deixa de ser feminina. Tem a maturidade que muitas garotas apresentam aos dezesseis, e prova ser uma amiga valiosa para Will. E apesar da aparente superficialidade, Jenifer é o que podemos chamar de “uma garota bacana”.Lance, melhor amigo de Will,tem o coração no lugar, apesar de alguns pesares ( NO SPOILER). E Will…ah, Will é companheiro, corajoso, gentil, amável,sensível e divertido, além de incrivelmente lindo.

 

Meg consegue com “Avalon High” o que muitos autores almejam em suas carreiras: reescrever clássicos. Ela escreve de um modo leve, descompromissado e muito bem delimitado , a história do Rei Arthur nos tempos atuais. Puxe seu lugar na Távola Redonda e aproveite o livro!

 


Resenha por Gabriela (Gani)


Categories